Foto: Felipe de Souza.

Em palestra promovida pelo Instituto Democracia e Liberdade (IDL), a convite do presidente Edson Ramon, para 150 empresários, economistas e estudantes, na noite desta quinta-feira (24), o senador Oriovisto Guimarães (PODE-PR) abordou as perspectivas políticas e econômicas para o Brasil nos próximos quatro anos.

A apresentação do senador foi dividida em duas partes: as projeções dos dados econômicos e a explicação da importância da participação política para a retomada do crescimento do país.

De acordo com Oriovisto, a previsão do governo é de uma economia com inflação estável e com juros relativamente baixos para os próximos anos, porém, a atual situação econômica é preocupante e depende de uma reforma política urgente para ser amenizada. “Quase a totalidade do que se arrecada hoje com impostos está comprometida com o serviço público e com a previdência”, exemplificou o parlamentar paranaense.

Como relator do Plano Plurianual (PPA) 2020-2023, o senador Oriovisto revelou que o plano demonstra um governo literalmente falido. “Em todo período de governo Bolsonaro haverá déficit primário, ou seja, tudo que for arrecadado não pagará as despesas e será preciso tomar empréstimos todos os anos. Isso, antes mesmo de pagarmos os juros da dívida interna. Essa dívida chegará a R$6,24 trilhões em 2020 e a R$7,76 trilhões em 2023. O Brasil paga de juros, por dia, algo em torno de R$ 1 bilhão”, esclareceu Oriovisto.

Durante a apresentação, o senador destacou que existem duas maneiras clássicas de um país crescer. A primeira é quando o governo tem dinheiro e funciona como sendo a locomotiva do crescimento, criando um círculo econômico virtuoso, de compra e consumo. E a outra maneira é pela criação de um ambiente favorável para o investimento privado, seja evitando que os empresários brasileiros invistam fora, ou ainda incentivando investimentos vindos de outros países. “Essa é a saída que eu vejo para o Brasil”, observou.

Uma pesquisa feita com investidores europeus aponta algumas situações que estimulam esse investimento vindo do exterior, como ter um país com mais liberdade econômica, ter regras claras e estáveis, além da simplificação das relações trabalho/capital.

Essas medidas, para serem tomadas, dependem do Governo Federal e da aprovação de Leis pelo Congresso Nacional. O senador Oriovisto trouxe um exemplo à palestra. “Para se ter uma justiça mais rápida, o Senado poderia aprovar a PEC 5/2019, de minha autoria, que regulamenta a prisão em segunda instância, evitando tantas mudanças de interpretação pelo STF, que julga o assunto novamente nesse mês”, ressaltou o senador.

Oriovisto concluiu a palestra afirmando que, para colocar o país novamente nos trilhos do crescimento, são necessárias as reformas política, administrativa e tributária, mas, prioritariamente, a reforma política. “Economicamente, não há muito o que fazer, mas politicamente, há muito a ser feito. As reformas não dependem de dinheiro e sim da vontade política. É preciso acabar com a grande quantidade de partidos que temos hoje. Para mudar a cara do país, também é urgente acabar com o foro privilegiado, que depende unicamente da votação da Câmara, uma vez que já foi aprovado por unanimidade no Senado”, disse o senador.

O presidente do IBL, Edson Ramon, com o senador Oriovisto. Foto: Felipe de Souza.

 

Foto: Felipe de Souza.